Gruta

dez
21

Criatividade na fachada

Postado por: admin
Categorias: News Pisos e Revestimentos Projetos

Uma fachada diferente, onde a volumetria se destaca e insere a pedra natural como protagonista do projeto. Essa foi a concepção do  arquiteto Luiz Gonzalo Arias Recalde que  usou resíduos de rochas ornamentais, compôs em  cubos a fachada e deixou tiras de pedra correrem pelas paredes. A obra, um sobrado perto de Granada, na Espanha, traz tudo de uma maneira bastante  excepcional.

Por onde vamos começar?  Façamos assim: de normal, temos o material, ou seja, mármore Macael, que vem da região e ali é bastante usado na construção civil. Mas, então, vem esta fachada, muito diferente das outras casas geminadas. Sua forma construtiva acomodou-se para cumprir a determinação local: a frente da casa deve estar 3 metros recuada do início do terreno.

O autor do projeto tem uma justificativa para sua concepção: “Nós só não queríamos apenas uma frente de construção tediosa dessas, mas uma fachada com grande dinâmica.” Gonzalo Arias fez com que cubos se projetassem e recuassem. A frente destes cubos individuais é coberta com mármore. As linhas nos cubos não correm horizontalmente ou verticalmente, como de praxe, mas ao redor das arestas! “Queríamos destacar a ideia de a janela se abrir para a rua, mostrar a janela quase em movimento”, explica o arquiteto. Para este movimento permanecer discreto, foi necessário recuar o centro da fachada: ele consiste apenas de vidro e permite uma abundância de luz dentro de casa, mas sem que o calor da radiação térmica penetre no prédio. Um precioso e fundamental detalhe, garantem.

Finalmente, o melhor vem em mármore: a rocha da fachada é de fato feita de resíduos – trata-se de rodapés que a companhia Mármoles Serrano tinha em estoque, cortou-os para um novo uso. As tiras foram montadas à mão usando uma cola especial da empresa suíça Sika, presente no mundo todo. O trabalho foi realizado pela empresa de construção Mucarsa. O resultado: “um projeto com aura natural”, descreve Gonzalo Arias, “mas ao mesmo tempo ele deveria se destacar um tanto do comum.”

 

 

 

 

 



« Voltar
FacebookTwitterGoogle+tumblrEmail